Bolsonaro define novos comandantes de Exército, Marinha e Aeronáutica

Por Redação Imparcial
COMPARTILHAR:
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter

General Paulo Sergio Nogueira, o almirante Almir Garnier Santos e o tenente-brigadeiro Baptista Júnior assumem a direção das Forças

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) definiu os nomes dos novos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Veja também 
Ministério da Defesa anuncia saída dos comandantes das três Forças Armadas

O novo comandante do Exército é o general Paulo Sergio Nogueira. Ele era o quarto na lista de antiguidade, ou seja, na relação de oficiais com mais experiência no Exército.

Atualmente, Nogueira é chefe do Departamento-Geral de Pessoal do Exército. Ele vai substituir Edson Pujol, que deixou o cargo ao lado dos outros comandantes das Forças nesta semana. O nome do novo comandante já foi informado internamente ao Alto Comando do Exército.

Para Marinha, o escolhido foi o almirante de Esquadra Almir Garnier Santos, segundo mais antigo da Marinha. Ele vai substituir Ilques Barbosa, que também deixou o cargo.

O tenente-brigadeiro Baptista Júnior é o novo comandante da Aeronautica, no lugar de Antônio Carlos Moretti Bermudez.

Mais cedo, o novo ministro da Defesa, o general Walter Braga Netto, se reuniu com os oficiais mais antigos das três forças. De acordo com auxiliares, o objetivo foi conhecer os perfis e saber qual assessoramento poderiam dar ao presidente. A cerimônia de apresentação será nesta tarde.

Saída coletiva
O general Edson Pujol, o tenente-brigadeiro Moretti Bermudez e o almirante Ilques Barbosa estavam à frente das Forças Armadas desde o início do governo Bolsonaro, em janeiro de 2019. Os três foram comunicados da mudança na terça-feira (30), um dia depois de cogitarem se demitir em protesto à dispensa do então ministro da Defesa, o general Fernando Azevedo.

Segundo apuração do colunista da CNN Caio Junqueira, Bolsonaro demitiu Azevedo por considerar que as Forças Armadas estavam “distantes” do governo. Em nota, o general afirmou ter conduzido os militares como “instituições de Estado” — portanto, sem ligação política com a atual gestão.

A mudança no Ministério da Defesa foi incluída em uma reforma ministerial feita pelo presidente Jair Bolsonaro na segunda-feira. O sucessor de Azevedo, general Braga Netto, ocupava um cargo de confiança do presidente, como ministro-chefe da Casa Civil.

Além da Defesa e da Casa Civil, o presidente promoveu mudanças nos ministérios da Justiça e da Segurança Pública e das Relações Exteriores, na Advocacia-Geral da União (AGU) e na Secretaria de Governo.

Oposição
Parlamentares da oposição articulam um pedido de impeachment contra Bolsonaro, sob a acusação de que o presidente da República promoveu as mudanças com o objetivo de interferir politicamente nas Forças Armadas.

O pedido envolve diversos partidos e é liderado pelo deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) e pelos senadores Jean-Paul Prates (PT-RN) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

A mudança também foi criticada pelo general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que foi ministro-chefe da Secretaria de Governo nos primeiros meses da gestão Bolsonaro. Em entrevista à CNN, Santos Cruz classificou como “ofensa às Forças Armadas” a substituição dos comandantes.

Parlamentares de oposição ao governo também contestam a Ordem do Dia, documento assinado pelo novo ministro da Defesa Walter Braga Netto que celebra o golpe militar de 31 de março de 1964.

Governo
Em seu posicionamento, Braga Netto defende a análise do ocorrido há 57 anos de forma distanciada dos tempos atuais. O ministro da Defesa argumenta que a deposição do presidente João Goulart deve ser considerada no contexto da Guerra Fria.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que o governo não tem qualquer intenção de interferir politicamente nas Forças Armadas. “Não tem nenhuma mudança de postura em relação às Forças Armadas, queria deixar isso bem claro”, disse.

Mais notícias dessa região acesse Imparcial Política

Com informações da CNN Brasil